Artigos

Descomplicando sua declaração de IR.

Tempo estimado de leitura:
3
minuto(s)

O start foi dado!

Esta semana começou a entrega das declarações do Imposto de Renda, que vai até o dia 30 de abril, e é importante que você já se prepare e reúna toda a documentação necessária.

Então, vamos relembrar algumas informações importantes:

O que precisa ser declarado no Imposto de Renda 2021?

Você precisará declarar todos os rendimentos que teve no ano anterior (mesmo os isentos de tributação), bens, saldo em conta corrente e outras aplicações financeiras, ganhos com venda de imóveis e gastos com dependentes, plano de saúde, educação e previdência.

O primeiro passo deve ser baixar o programa online disponibilizado no site da Receita.

Agora vamos aos principais documentos:

Separe a declarações do ano anterior (no sistema da receita, você pode inclusive importar essas informações – isso te poupará tempo)
Informes de rendimentos de todas as receitas recebidas durante o ano, como salários, distribuição de lucros, aluguéis, pensões, por exemplo.
Informes de rendimentos das instituições financeiras (bancos, cooperativas, corretoras, entidades de previdência complementar) – Essas instituições devem liberar as informações pra você até o dia 26/02.
Você precisará informar os saldos de conta corrente e poupança, investimentos, valores pagos em prestações, consórcios e empréstimos.
Não esqueça dos Recibos com médicos, dentistas, fisioterapeutas, psicólogos e planos de saúde. Estes gastos são dedutíveis.
Despesas com educação – comprovante da mensalidade de escola, cursos de graduação, pós graduação.
Caso você tenha negociado bens durante o ano, precisa separar os documentos de compra e venda.
Além de doações e herança que possam ter ocorrido.

Outra dúvida super comum é:
Devo escolher entre a declaração simplificada ou completa?

A dica é preencher a declaração com todos os detalhes, não deixando nada de fora, e apenas ao final, escolha entre os dois modelos. O próprio sistema irá te mostrar qual modelo é melhor 😉

A escolha vai depender da quantidade de deduções – gastos com dependentes e plano de saúde, por exemplo, que diminuem o valor final do tributo a ser pago.
Ah, antes de começar, verifique se você é mesmo obrigado a declarar.

Permanece obrigado a declarar neste ano, entre outras situações, quem ganhou mais de R$ 28.559,70 em 2020 OU aqueles que se enquadram em uma das condições abaixo (basta se encaixar em qualquer uma das situações, não precisa ser em todas):

  • Recebeu mais de R$ 28.559,70 de renda tributável no ano (salário, aposentadoria ou aluguéis, por exemplo) ou;
  • Ganhou mais de R$ 40 mil isentos, não tributáveis ou tributados na fonte no ano (como indenização trabalhista ou rendimento de poupança);
  • Teve ganho com a venda de bens (casa, por exemplo);
  • Comprou ou vendeu ações na Bolsa;
  • Recebeu mais de R$ 142.798,50 em atividade rural (agricultura, por exemplo) ou tem prejuízo rural a ser compensado no ano-calendário de 2020 ou nos próximos anos;
  • Era dono de bens de mais de R$ 300 mil;
  • Passou a morar no Brasil em qualquer mês de 2020 e ficou aqui até 31 de dezembro;
  • Vendeu um imóvel e comprou outro num prazo de 180 dias, usando a isenção de IR no momento da venda;

Limites para deduções permanecem iguais a 2020

Dedução por dependente: R$ 2.275,08 por pessoa, sem limite no número de dependentes, desde que atendidas as regras da Receita para dependentes;

Despesas com educação: até o máximo de R$ 3.561,50 por pessoa no ano; são aceitas despesas do contribuinte, dos dependentes e alimentandos;

Despesas com saúde: não há limite de valor, mas precisam ser devidamente comprovadas por notas fiscais e recibos.

Para quem possui investimentos, é importante estar atento!

Para tirar todas as suas dúvidas sobre a forma de tributação de cada investimento, clique aqui.

Não deixe para a última hora!

Tem interesse em algum outro conteúdo mas não achou?

Envie uma sugestão

Sugestão de conteúdo

X