Vídeos

Saiba como manter o endividamento sob controle

Tempo estimado de leitura:
2
minuto(s)

Vídeo Post:

O percentual de famílias brasileiras com algum tipo de dívida já é superior à 60%. No entanto, o endividamento em si não é necessariamente algo ruim, muitas vezes ele é necessário para realizar sonhos.

“O financiamento de uma casa é diferente de uma dívida de cartão de crédito, por exemplo”

O problema está na consequência de um endividamento excessivo, que ultrapassa a capacidade de pagamento e gera a chamada inadimplência.

Chegamos ao alarmante número de 63 milhões de brasileiros inadimplentes, ou seja, pessoas que assumiram prestações superiores a sua própria capacidade de pagamento. Isto representa quase metade da população adulta do país.

Em regras gerais, Especialistas indicam que o pagamento de dívidas não deve superar 30% da renda familiar e, para que você não perca este controle é preciso conhecer os seus limites.

 O cálculo é simples:

Basta dividir o valor mensal destinado ao pagamento de dívidas pela sua receita líquida no mesmo período.
O resultado indicará a exata porcentagem das dívidas em relação ao que você ganha. Veja este exemplo:

Maria possui as seguintes prestações:

  • Empréstimo pessoal: R$ 260,00
  • Prestação da moto: R$ 180,00
  • Cartão de crédito: R$ 520,00

Somando um total de dívidas de R$ 960,00. 

O seu salário líquido mensal é de R$ 2.600,00.

Se dividirmos o total das dívidas pelo salário líquido, teremos um resultado de 0,37.

Quanto isso representa? Basta multiplicar por 100 para notar que Maria compromete 37% de sua renda pagando dívidas.

Se você está no grupo que compromete mais de 30% da renda com o pagamento de dívidas, que tal tentar reduzir seu endividamento e investir a diferença?

Os efeitos no médio e longo prazo serão fantásticos e você não correrá o risco de perder-se em problemas financeiros.

A dica é elencar todas as dívidas por ordem de prioridade e quitar o quanto antes aquelas mais caras.

Não esqueça de que consumir toda a renda para arcar com um alto padrão de vida pode inviabilizar a formação de reservas importantes na sua vida.

Faça escolhas conscientes! Até a próxima.

 

 

 

Tem interesse em algum outro conteúdo mas não achou?

Envie uma sugestão

Sugestão de conteúdo

X